quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Filme - Tempo de Matar



Direção: Joel Schumacher
Com: Matthew McConaughey, Sandra Bullok, Samuel l. Jackson, Kevin Spacey, Oliver Platt, Charles Dutton, Donald Sutherland, Kiefer Sutherland, Ashley Judd e outros

O filme "Tempo de Matar" ocorre em Canton no Mississipi, onde Carl Lee (Samuel L. Jackson), um negro que, ao matar dois brancos que espancaram e estupraram sua filha de 10 anos é preso, e um advogado branco Jake Brigance (Matthew McConaughey ) e Ellen (Sandra Bullock) uma obstinada estudante de Direito vão contra todo um preconceito e racismo existente na comunidade daquela cidade para tentar defendê-lo.
A garota negra de 10 anos Tonya, é pega à força, estuprada e espancada até quase a morte por dois rapazes brancos enquanto voltava do armazém. Os rapazes são levados à delegacia logo depois para aguardar julgamento, e enquanto isso Carl Lee, pai da garota já sabendo que o racismo impera na cidade, e sendo os negros vistos como lixo, vai à procura do advogado branco Jake Brigance, que já havia defendido seu irmão há alguns anos atrás, e quando pergunta a este que caso venha ficar encrencado se Jake o ajudaria, e obtém afirmação, Carl Lee ainda indaga ao advogado que caso ocorre o mesmo com sua filha branca, o que ele faria? Jake fica sem resposta.
Quando os dois rapazes brancos estão sendo levados ao tribunal para terem o valor da sua fiança decretada, o pai da garota Carl Lee, num acesso de ódio, decide fazer justiça com as próprias mãos e mata os dois, na frente de diversas testemunhas, além de acidentalmente ferir seriamente um policial. Ele é preso rapidamente e vai a julgamento, mas a justiça dificilmente prevalecerá, pois a cidade é majoritariamente branca e racista. Então, Jake e Helen (Sandra Bullock), uma idealista estudante de Direito, resolvem assumir a causa.
Esse advogado acaba tendo sua casa incendiada, o marido de sua secretária é espancado e morto por uma "seita" racista da própria cidade, a jovem Hellen também é ameaçada e espancada por esta seita. Os dois acabam sofrendo diversas ameaças e pressões para abandonar o caso, devido ao preconceito e racismo da comunidade daquela cidade. Ao final, a opinião pública fica dividida entre os que apóiam a atitude do pai da menina e os que não admitem que um negro "acabe" com um branco, começando assim um turbulento julgamento que se torna uma violenta batalha racial, e a cidade se transformando num barril de pólvora.
Quando começam os depoimentos, Ozzie, o xerife que prendeu e interrogou os dois estupradores, afirma ao advogado de defesa Jake, que eles assinaram uma confissão dizendo ter sim estuprado a menina. Há ainda no depoimento do policial que teve a perna amputada por ter sido atingido por Carl Lee no momento do crime, diz a todos que mesmo estando no estado em que se encontra não guarda rancor dele, e que no seu lugar teria feito a mesma coisa. Essas palavras causam alvoroço no tribunal e a ira do juiz que alerta a defesa que não permitirá que no julgamento se mencionasse a razão que fez o pai cometer duplo homicídio, pois o julgamento para ele é de assassinato e não de estupro.
Mesmo assim, quando o psiquiatra do estado vai depor a favor da promotoria e afirma que Carll Lee estava mentalmente sadio quando cometeu o crime, é desmoralizado pela defesa que prova ao júri que tal psiquiatra já havia declarado outros réus como sadios, no entanto os têm enquanto pacientes esquizofrênicos em sua clínica atualmente, o que leva todos a crer que este profissional os declarou sadios na época somente para fins processuais, em comum acordo com a promotoria.
Mas, ao ser interrogado, Carl Lee acabou sendo encurralado pelo promotor e exaltado acaba afirmando aos gritos no tribunal que alguém que faz o que os dois rapazes brancos fizeram com sua filha, merecem arder no fogo do inferno. E com essa declaração joga por terra todas as tentativas do advogado Jake em qualifica-lo como mentalmente perturbado no momento do crime.
Diante desse quadro, no dia seguinte Jake visita Carl Lee na prisão e diz a ele que não há mais argumentos jurídicos para defendê-lo e que perderão o caso, propõe que façam um acordo com o promotor, desqualificando assim o homicídio como premeditado e consigam a prisão perpétua ao invés da pena de morte. Neste momento, Carl Lee mostra a Jake que o escolheu por ele ter o mesmo pensamento do tribunal e dos jurados, alegando que ambos são diferentes e que embora ele, Jake, fale a respeito de brancos e negros na TV, ele ainda é um branco, portanto deve deixar de lado os argumentos que vem usando de lado, e passar a vê-lo como o júri o vê. Carl Lee pede então ao advogado para começar a pensar se caso ele estivesse no júri, o que seria preciso para convencê-lo a liberta-lo, e que somente assim poderia salvar o caso.
No julgamento final, o promotor pede a pena de morte para Carl Lee, enquanto seu advogado, Jake, diz que não vai ler sua defesa porque quis provar que um negro poderia ser julgado com justiça, e que todos são iguais aos olhos da lei, o que percebeu não ser verdade, pois a justiça continuará sendo um reflexo de nossos preconceitos.
É nesse momento que Jake solicita a todos os presentes que fechem os olhos e ouçam a ele e a si mesmos, então ele começa a contar a história de uma garotinha que volta do armazém, e de repente surge uma "pick-up" de onde saltam dois homens e a agarram, eles a arrastam para uma clareira e, depois de amarrá-la, arrancam-lhe as roupas do corpo e montam nela, primeiro um, depois o outro, eles a estupram tirando toda a sua inocência com brutais arremetidas. Depois de acabarem, e de ter matado qualquer chance daquele pequeno útero ter filhos, os dois rapazes começaram então a usar a garotinha como alvo, acertando-a com latas cheias de cerveja, cortando sua carne até o osso. E não satisfeitos, eles ainda urinaram sobre ela, e com uma corda fizeram um laço enrolando-o no seu pescoço e num puxão repentino ela foi suspensa no ar, esperneando e não encontrando o chão até o galho quebrar e a garota cair no chão. Nesse momento, eles a pegaram colocaram na "pick-up" e, ao chegar a uma ponte, jogam-na de cima da mureta, de onde ela caiu de uma altura de 10m até o fundo do córrego.
Jake então pára a história, e pergunta aos presentes se conseguem vê-la, se conseguem imaginar o corpo daquela garotinha estuprado, espancado, massacrado, molhado da urina, do sêmen deles e do próprio sangue, e depois abandonado para morrer...
E novamente repete para que todos façam uma imagem dessa garotinha, aguarda um instante e pergunta: "Agora imaginem que essa garotinha é branca"!
Mediante essa explanação do advogado, Carl Lee é inocentado pelo júri. O filme termina com o advogado e sua família na casa de Carl Lee no subúrbio, comemorando o resultado da sentença, e observando suas filhas brincando juntas.
Acesso em 09 de novembro de 2011.

Um comentário:

Obrigada por visitar meu Blog!!!