segunda-feira, 2 de março de 2015

Mulheres que inspiram – Samara Macêdo Diniz

A segunda homenageada da Série Mulheres que inspiram é Samara Macêdo Diniz.
Samara Macêdo Diniz
Mestre em Gestão e Avaliação da Educação Pública (UFJF/MG);
Diretora Geral – EEFM Padre Luis Filgueiras – Nova Olinda – CE.

ENTREVISTA
Lucélia Muniz - Dentro do contexto atual, na sua opinião, quais as principais conquistas alcançadas pelas mulheres?
Samara Macêdo Diniz - Historicamente, nós mulheres fomos levadas a nos perceber como frágeis e delicadas, e, portanto, inferiores aos homens, “seres providos da força” que nos levaram a crer que nos faltava. Diante dessa constatação, percebo que a nossa maior conquista foi sair da posição de fragilidade e assumir o nosso lugar nesse mundo, e não me refiro apenas ao fato de trabalharmos fora ou ao grande número de mulheres que hoje assume posição de chefia nas empresas e outros setores, mas ao fato de tomarmos as rédeas da nossa vida e passarmos a protagonizar a nossa história com coragem, que em minha opinião, é a maior qualidade que temos.

Lucélia Muniz - E você, qual sua principal conquista enquanto mulher?
Samara Macêdo Diniz - Certamente, a que citei anteriormente. Não há nada mais gratificante que poder ser protagonista da minha vida, ser “senhora das minhas vontades” e poder viver intensamente as múltiplas facetas de ser quem sou: mãe, esposa, trabalhadora, estudante, ser mulher. Dar conta de ser tudo isso além de ser uma grande conquista é uma deliciosa aventura.

Lucélia Muniz - Em pleno século XXI, quais situações ainda são enfrentadas pelas mulheres? Seja na questão de gênero, na falta de políticas públicas e/ou no contexto socioeconômico.
Samara Macêdo Diniz - Uma das situações que considero inadmissíveis na era em que vivemos é o fato das mulheres que recebem menores salários quando ocupam as mesmas funções que os homens, mesmo que tenha maior nível de instrução, isso só para citar apenas um dos tipos de violência. E embora a coragem seja intrínseca à mulher, muitas ainda não tiveram esse despertar, pelas mesmas razões de séculos passados, como citado anteriormente, ou, simplesmente, pela lentidão em que ocorre a mudança nas políticas públicas a nosso favor.

Lucélia Muniz - E como a Educação pode ser usada como uma “arma” no combate a estas situações?
Samara Macêdo Diniz - A Educação como meio de transformação deve estar aberta para debater questões como essa e introduzi-las no currículo escolar. Ao contrário do que se pensa, não é algo que demanda grandes mudanças, como criar uma disciplina específica para isso. Abrir o espaço da sala de aula, configurando-o em um local propício para que o debate aconteça é algo que pode fazer toda a diferença, pois perpassa o ideal de significação do conhecimento que há muito a Escola vem buscando, é praticar a educação para a vida.

Lucélia Muniz - Deixe-nos uma mensagem neste Dia Internacional da Mulher.
Samara Macêdo Diniz - Se pudesse resumir essa mensagem a uma só palavra, seria essa que exaltei até aqui: CORAGEM. Coragem para lutar contra o preconceito, coragem para viver a nossa verdade, coragem para criar os nossos filhos, coragem para querer ser mais, coragem para estudar, e nesse aspecto, como educadora, cito as mulheres que abandonam os estudos por proibição de seus companheiros, aquelas que não conseguem prosseguir seus estudos por não conseguirem apoio para conciliar a escola e a criação dos filhos, e por outros tantos outros motivos que não caberiam em uma só resposta.
Por fim, parafraseando o célebre Guimarães Rosa, em Grande Sertão: Veredas, “o que a vida quer da gente é coragem”.

Um comentário:

  1. Linda mensagem de força e coragem! Parabéns!!!
    Sandra Portugal
    www.projetandopessoas.com.br

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar meu Blog!!!