sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Vicente Nery no ARARIFEST 2016

OBRIGADO, MEU DEUS!
Localidade de Pedra Branca, município de Aracoiaba, 1977. Nasce Antonio Vicentino Neri da Silva, filho de “seu” Vicente Neri e Dona Lourdes. O menino é todo artista, desde novinho. O negócio dele é cantar e se sentir no palco, mesmo que, no pequeno lugar em que nasceu não tenha teatro, cinema ou picadeiro... O menino sonha com as luzes, o equipamento de som, balé no seu palco... Uma banda!
O tempo passou, e o pensamento focado na fama não saia da cabeça do menino. Sonhava, desde cedo, em gravar um LP. Era tempo de começo de carreira do CD, um trocinho muito caro e um sonho ainda distante. Já cantava andando pela casa, se olhando no espelho tentando encontrar uma postura adequada à carreira que povoava seus pensamentos e sonhos. Não saia de sua cabeça o começo de sua carreira que seria um grande sucesso.
E em 1993 o menino encontra a brecha com que sonhara. Uma banda percebe o talento do agora chamado Vicente – uma homenagem ao pai – e o convida para ser o cantor de frente da banda. A oportunidade era tudo o que queria e sonhava desde muito tempo. Não podia falhar.
O resto da história já é conhecido. 20 anos de carreira 16 só com a “Cheiro de Menina”, 17 cds gravados, um cd duplo com o melhor da carreira, seis DVD’s, sendo três acústicos com convidados... Sonhos realizados? Não. Isso foi só o começo. O amor que tem pela música é imortal e pede sempre mais sacrifício, de apuro no cantar e compor, na condução da afinadíssima banda que lidera hoje.
O que não esperava era tornar-se cidadão honorário de três municípios de Pernambuco e Paraíba: Parnamirim/PE, Exu/PE, Serra Talhada/PE, Várzea/PB e Belém do Brejo do Cruz/PB. E como diz Vicente, “pode copiar!” Não deve ser tão simples ser forrozeiro jovem e ser condecorado cidadão honorário de Exu, terra de seu mestre maior, Luiz Gonzaga.
O brado de alegria ecoa: “Alô Nação Forrozeira!” A galera, então, se amontoa à frente do palco para ver de perto o menino que conquistou a “Nação Forrozeira”. O som está no ponto; pesado, limpo, claro. A banda afiada, custa de muito ensaio. Figurinos, balé, produção, luz e efeitos criam o clima de magia. O menino sonhador vai subir ao palco sagrado da música da alegria e da dança. Fumaça se espalhando pelo ar, envolvendo o povão. O show vai começar. Obrigado, meu Deus!!!
Onde quer que esteja, o pai do forró, Luiz Gonzaga, feliz deve estar dizendo: “Eita, menino danado de bom! Nesse passo, a qualidade tá garantida. Eu já posso descansar”.

Fonte: site Vicente Nery

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada por visitar meu Blog!!!